Multiculturalidade à mesa do Infame

O restaurante Infame, inserido no 1908 Lisboa Hotel, em Lisboa, renasceu com uma nova chefia e um conceito de cozinha que abraça a cozinha portuguesa, ao mesmo tempo, que se deixa inspirar pelo bairro onde está inserido, o Intendente, muito característico pela sua mescla de culturas.

Na ideia

Inaugurado em 2017, o 1908 Lisboa Hotel ergueu-se a partir de um edifício projetado no início do século XX por Adães Bermudes, sob os princípios estéticos da arte nova. Após vários anos de abandono, renasceu pelas mãos do grupo hoteleiro Villa de Santa Ana, que em 2018 abriu na Ericeira a sua segunda propriedade, o Hotel You and the Sea onde se inclui o restaurante Jangada. Em Lisboa, o boutique hotel conta com 36 quartos, o restaurante Infame e ainda o bar 1908. A conceito gastronómico é chefiado por André Rebelo, que fez parte da equipa que abriu o espaço, e é responsável pelo restaurante na Ericeira. “Quando me convidaram para liderar o Infame, eu já estava no outro projeto do grupo e a ideia foi fazer uma ligação entre os dois, com a mesma cozinha e dinâmica”, começa por explicar o chefe que antes somou passagens por restaurantes como Rota das Sedas, Tavares, The Insólito, O Talho e A Cevicheria.

No espaço

Com uma decoração contemporânea e com a arte a estar bastante presente através de instalações dos artistas Bordalo II, Vanessa Teodoro, David Oliveira e Irmãos Marques, o restaurante Infame e o Bar 1908 – que partilham a mesma divisão – são uma mescla de distintos estilos e abordagens. O chefe admite que o espaço, que recebe a luz natural de Lisboa através de várias janelas amplas, é uma das mais-valias do restaurante, com capacidade para 80 lugares sentados no interior e 70 na esplanada. O projeto de decoração de interiores ficou a cargo da empresa proprietária com a colaboração da Sizz Design. “[O espaço] tem um potencial enorme, foi sempre o que me fez querer voltar aqui. Eu acho que o Intendente está a crescer muito, está com muita pinta e sítios porreiros e nós aqui temos muita vontade de fazer boas coisas”, explica.

Com a chegada de André, a dinâmica do próprio serviço mudou, agora “mais descontraído ainda que atento” e com uma ligação mais evidente entre a carta de comida e a carta de cocktails, esta última pensada pelo chefe de bar, Marco Dias. Dentro das recentes novidades, encontramos o Infame Milk Punch com mezcal, amaretto, especiarias, manga e água de coco e o Perception com rum, martini bitter, abacaxi, coco e sumo de lima, só para dar alguns exemplos.

Na mesa

Com a entrada do novo chefe no início do ano passado, uma das primeiras mudanças na cozinha foi a implementação de um distinto sistema de trabalho e de uma nova equipa. Isto é, “refrescar a imagem do restaurante e desassociar à cozinha asiática de antes. Não queria um conceito mas sabia que queria usar produtos portugueses em que pudesse fazer tanto um pica-pau como umas gyosas”, conta. Ou seja, André Rebelo não perde aqui a cozinha portuguesa de vista, aceitando a natural entrada de outras culturas ali evidentes do bairro.

A ligação ao espaço irmão é cada vez maior sendo que boa parte dos produtos de mar e de terra são oriundos da região Oeste, assim como o pão de massa mãe e outros produtos feitos na cozinha desse restaurante. Na carta, a evidência maior é no prato de arroz, de nome eRICEeira, com sapateira e camarão tigre, mas também, o Duck Dive, uns croquetes de pato com molho de mostarda e mel. Mas há outros que só se encontram em Lisboa, como o Octopusprime, um polvo com batata-doce, pack choi e chimichurri, o Pork Secret, uns secretos com arroz negro de berbigão e pickle de cebola roxa ou os Momos de Camarão com tom yam e pickles. “Já em agosto vamos mudar novamente a carta, acrescentar umas coisas e tirar outras. O que eu quero é consistência! Quero que as pessoas comam bem, que tenham curiosidade em experimentar outras coisas e que voltem.”

Ficha técnica

Nome: Restaurante Infame, 1908 Lisboa Hotel
Chefe: 
André Rebelo. Iniciou o seu percurso no Olissippo Hotels, passando mais tarde pela Rota das Sedas e pelo Tavares. Em 2012 fez estágios na Dinamarca, nos restaurantes Falsled Kro e Sortebro Kro. De volta a Lisboa passou pelo Spot São Luiz, CS Hotels & Resorts, The Insólito e Grupo Comer o Mundo (A Cevicheria, O Talho, O Asiático). Em 2017 fez parte da equipa de abertura do Infame como subchefe para deixar a função um ano e meio depois, quando abraçou o desafio do Jangada Ericeira, restaurante do mesmo grupo. No final de 2021, voltou ao Infame como chefe executivo e atualmente divide-se entre as duas casas.
Conceito: Uma cozinha de base portuguesa com influências do mundo
Morada: Largo do Intendente Pina Manique, 6. Lisboa
Telefone: 218 804 000
Horário: De Domingo a Quinta-feira das 12h às 22h30. Sexta-feira e Sábado das 12h às 23h.

Fotos: Luís Ferraz

Edições do Gosto

Newsletter EG

Faça parte da comunidade gastronómica.

Junte-se à Comunidade Gastronómica EG

* obrigatorio