Ansiedade e a Criatividade: conhece a relação?

A relação entre a ansiedade e a criatividade é um assunto complexo que tem sido objeto de estudo e de controversa ao longo dos anos. As opiniões dividem-se.
Para muitos, a ansiedade pode inibir a criatividade, enquanto para outras pessoas, pode impulsioná-la.
Ao longo dos anos, vários estudos têm mostrado que a ansiedade pode, de facto, afetar a criatividade de diferentes formas. Por um lado, uma ansiedade excessiva pode levar a um bloqueio criativo, que dificultará novas ideias. Quando estamos ansiosos, estamos a sentir uma ameaça e portanto, focados em preocupações excessivas, o que pode impedir a capacidade de pensamento divergente, essencial para a criatividade.

Por outro lado, a ansiedade pode estimular a criatividade. Quando estamos perante situações de ansiedade moderada, o nosso cérebro fica mais em alerta e, ao nível sensorial, mais consciente. Isto leva a um aumento da capacidade de observação e conexão de ideias no indivíduo. As pessoas podem esforçar-se para enfrentar os desafios em busca de soluções mais criativas e inovadoras.
É importante, relembrar que cada pessoa reage de forma diferente à ansiedade, portanto, nenhuma reação é igual.
Não esqueça: A ansiedade em excesso pode prejudicar a sua criatividade, mas em quantidades moderadas pode incentivar a procura de soluções criativas.

Permita-se agora investir nas estratégias que lhe deixo, um convite ao equilíbrio entre estas duas dimensões.

– Desenhe-se a si próprio/desenhe a ansiedade no seu corpo
Como visualiza a sua ansiedade? Desenhe os contornos do seu corpo, usando diferentes cores, represente as suas sensações físicas nas diferentes partes do corpo. Tem pensamentos ansiosos? Que forma têm? Experimente desenhá-los.

– Escreva uma carta para a sua ansiedade
O que lhe quer dizer? O que quer que ela saiba? O que sente com a presença dela? Existe algo em relação ao qua se sente grato pela presença da ansiedade?

– Escreva um Diário
Escreva não só sobre os seus sentimentos e emoções, mas também sobre os seus pensamentos. Perceba como pode conversar com eles, de forma a serem mais harmoniosos para si.

– Exercícios do tipo “quebra-cabeças”
Exercícios quebra-cabeça, Sudoku, sopa de letras ou palavras cruzadas são excelentes recursos para canalizar a energia para aspetos que não sejam na sua ansiedade ou pensamentos intrusivos.

– Respiração profunda
Respirar fundo poderá acalmar bastante o seu corpo e a sua mente. Quando estamos ansiosos, os níveis de noradrenalina aumentam e as redes de atenção são alteradas. Prender a respiração agrava sensações desagradáveis, pois o nível de dióxido de carbono em circulação no sangue sobe, sendo produzida mais noradrenalina. Quanto mais aumentam os níveis de noradrenalina, menos capacidade de foco atencional temos. Ao respirar lenta e profundamente, estará a interromper todo este processo e a revigorar o seu cérebro.

– Traga para o presente os seus 5 sentidos
Explore o que pode ver, ouvir, cheirar, provar e até tocar. Esta exploração, quando ocorre através do contacto com a natureza permite uma diminuição da pressão arterial e da hormona responsável pelo stress (cortisol), promovendo um maior estado de relaxamento.

– Experimente a meditação Mindfulness
Ao experimentar a meditação Mindfulness estará a permitir-se experienciar o momento presente, com maior consciência do aqui e agora, mas sem querer alterar a experiência, julgá-la ou classificá-la de alguma forma, sentindo o ambiente que o rodeia.

Ao concentrar-se num destes exercícios, estará a promover a criatividade, a distanciar-se de pensamentos negativos e a experimentar um pouco de tranquilidade e relaxamento.

Autor: Tânia Daniela Carvalho, Oficina de Psicologia
Foto: Filipe Vera-Cruz

Partilhar nas redes:
Outros tópicos: