Tony Martins é o vencedor da 31ª Edição do Chefe Cozinheiro do Ano

Chefe de cozinha de 35 anos sagrou-se CCA 2020 na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

 

 

A Escola de Hotelaria e Turismo de Estoril acolheu no dia 30 de junho, a Final Nacional da 31ª edição do Chefe Cozinheiro do Ano, da qual Tony Martins, com 35 anos, chefe do Jase Hotels & Resorts, se sagrou vencedor. O evento foi transmitido em direto no site e nas redes sociais da competição.

Tony Martins, o grande vencedor, apresentou ao júri um menu composto por ‘sopa caramela’ (entrada), ‘linguado, bivalves, percebes e coentros’ (peixe), ‘frango assado e arroz de miúdos’ (prato tradicional de tabuleiro) e pudim Clarissas e citrinos limonete (sobremesa). “Ganhar é o culminar de um trajeto longo e também de um ano difícil. O sabor da vitória é espetacular! Já acompanhava o concurso desde os tempos em que estudei na Escola de Hotelaria. Também desde então seguia com atenção os trajetos dos vencedores, sempre sonhando que um dia podia ser eu, o que acabou por acontecer”, afirmou o Chefe Cozinheiro do Ano 2020.

Cristina Fernandes e Marco Almeida, ficaram ainda, respectivamente, em segundo e terceiro lugar. Estiveram também em competição Tiago Lopes, Flávio Silva e Hugo Portela.

Além de arrecadar o segundo lugar da competição, Cristina Fernandes, do restaurante Sála, foi ainda distinguida com dois prémios especiais: a distinção Inovação Helmut Ziebell com o prato ‘sopa funcho e gaiado’ e “Melhor Harmonização com Estrella Damm” com o prato ‘leitão e sopa de trigo sólida’.

Ao longo do dia, foi possível acompanhar a prova em directo e também assistir a um conjunto de demonstrações de cozinha e entrevistas a vencedores do concurso e outros convidados. Entre os presentes estiveram os chefes André Silva (CCA 2013), Fernando Cardoso (CCA 2018), Hélder Diogo (CCA 2000), Igor Martinho (CCA 2009), Luís Gaspar (CCA 2017) e o mestre padeiro Mário Rolando.

A avaliar a prova dos finalistas esteve uma equipa de júri presidida por António Bóia, composta por Dieter Koschina, Henrique Sá Pessoa, Paulo Pinto e António Loureiro. Sobre o concurso e o vencedor, António Loureiro revelou: “O nível subiu muito na forma como os finalistas apresentaram os pratos, bem como, na metodologia de trabalho que aplicaram. No final, venceu o sabor.”

Este ano, o concurso teve o patrocínio da Makro, da ICEL e da Estrella Damm. Contou também com os produtos oficiais da Bom Sucesso, LAVA, NX Hotelaria e Costa Verde, tendo sido a jaleca oficial fornecida pela Prochef. A par destes, teve como parceiros a Bonduelle, a Carne Mertolenga, a Dry Ager, a Gresilva e a Rational. Nesta 31ª edição houve ainda o apoio da ACPP – Associação de Cozinheiros Profissionais de Cozinha, da Chaîne des Rôtisseurs, da Rede-T, das Escolas do Turismo de Portugal, da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, da Mar Portuguez e da SARA HACCP Digital.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Chefe Cozinheiro do Ano