Mauro Álison encerra ciclo de jantares Lexus Art & Cooking

Portugal, Japão e Angola dialogam no menu de outono do projeto da marca que une arte, boa comida e música.

O projeto Lexus Art & Cooking, desenvolvido pela marca japonesa de carros que também fabrica os automóveis Toyota, busca o diálogo entre design e gastronomia, duas formas de arte que mexem de modo intenso com nossos sentidos. Na quarta edição, realizada em 26 de outubro, na Caetano Auto, em Lisboa, o menu foi criado pelo chefe Mauro Álison, do Hotel Casa Palmela. Os primeiros três jantares da iniciativa tiveram a assinatura dos chefes Luís Gaspar, da Sala de Corte, Brilhante e Pica-Pau, Nikita Polido, da Casa Celmar e Bruno Rocha, do grupo Highgate.

Dentro do conceito do projeto, o ilustrador Tiago Galo foi convidado a usar o Lexus RZ como tela para traduzir a essência do modelo elétrico da marca. “Inspirei-me em Lisboa e em seu pluralismo cultural para reforçar o espanto, o verdadeiro “wow” que senti ao conduzir o carro”, explica o artista.

O pluralismo referenciado pelo artista também se fez presente nos pratos criados pelo chef Mauro Álison, com ares de outono. A premissa do menu foram os conceitos de sustentabilidade, qualidade e conforto da marca, aliados a uma autêntica comida de fusão.

“Criei pratos baseados na cozinha portuguesa, com influências gastronômicas do Japão, país de origem da marca Lexus, e referências a Angola, onde estão minhas raízes”, explicou o chef.  

O deleite gastronômico começou com três opções de snacks. A primeira combinou o quiabo, de origem africana, com amendoim e togarashi, uma mistura de especiarias japonesa. Também teve gamba do Algarve com tamarindo e coco, além de tártaro de novilho, em uma vertente mais clássica. Nesta versão, a receita foi preparada com carne maronesa, uma raça autóctone das regiões de Trás-os-Montes e Alto Douro que detém certificação de Denominação de Origem Protegida.

“O camarão foi levemente cozinhado em caldo dashi, uma das bases da culinária japonesa”, detalhou Álison. Para acompanhar os snacks, a escolha foi o rosé Informal, de Luís Pato.

Como pratos principais, o chefe apostou no salmonete, autenticamente português, purê de nabo e senmaizuke, uma conserva de fatias finas de nabo desidratado em salmoura, vinagre e temperado com alga kombu. O peixe foi servido com o rótulo da Ravasqueira Vinha das Romãs Blanc de Noirs.

O veado entrou como opção de carne de caça com cogumelos, que são a cara do outono, com o nobre foie gras e misso, o fermentado de soja super popular no Japão. “A carne de caça está cada vez mais popular no Japão e é muito presente na mesa portuguesa”, reforça o chefe.

Para quem não come carne, a opção foi cevada, cogumelos e goji, a frutinha de origem oriental que se popularizou pelo mundo. Para a carne, a harmonização foi feita com Grande Reserva Quinta do Sombreiro de Cima.

Para fechar, foi servida uma merengada de yuzu, o limão de raízes orientais, acompanhada pelo vinho do Porto Kopke LBV. “Gosto muito de trabalhar com citrinos e o yuzu é, sem dúvida, uma ótima referência do Japão”, finaliza o chefe.

Mais informações sobre a Lexus e o projeto aqui.

Texto: Gisele Rech
Foto: Caetano Auto

PUB

Edições do Gosto

Newsletter EG

Faça parte da comunidade gastronómica.

Junte-se à Comunidade Gastronómica EG

* indicates required
Área de profissão *