Por um bacalhau sustentável

Em vésperas de entrarmos na época natalícia, fomos conhecer o trabalho da Seafood From Norway — um símbolo, uma denominação que representa a qualidade e a origem de pescado, como o bacalhau, e marisco da Noruega e uma garantia para os consumidores de todo o mundo — e perceber como é assegurada a sustentabilidade da pesca do fiel amigo no mar gélido do país escandinavo. 

A pesca do bacalhau é um caso sério na Noruega, um modo de vida para os seus pescadores e envolvidos no processo. Não é ao acaso que a Noruega foi o primeiro país a introduzir um sistema de quotas para manter as reservas saudáveis de peixe, assegurando que não existe nem existirá pesca excessiva, fomentando uma gestão sustentável. Um exemplo disso será que se os pescadores excederem as respetivas quotas serão penalizados, recebendo apenas 20% do valor do peixe que ultrapassa a quota. 

Através de legislação, regulamentos e controlo, o país transforma a investigação em práticas sustentáveis. Entidades como o Instituto de Investigação da Marinha e o Conselho Internacional de Exploração Marítima monitorizam o mar para se certificarem de que os recursos são aproveitados de forma sustentável. 

Além de que o governo norueguês, através da Lei de Recursos Marinhos, regula rigorosamente as pescas de recursos marinhos vivos através de medidas como aquela instituída em 1987 que proíbe a devolução de peixe ao mar ou a captura de bacalhau ilegal. 

A juntar a isso, há ainda uma política de zero desperdício, em que o peixe recolhido é vendido no mercado. Os lucros excedentes são investidos no controlo das pescas. 

Mais informações aqui www.mardanoruega.com. 

Edições do Gosto

Newsletter EG

Faça parte da comunidade gastronómica.

Junte-se à Comunidade Gastronómica EG

* obrigatorio